Continua após a publicidade.
ad

Os animais possuem um senso de audição aguçado, muitas vezes capaz de detectar uma gama de sons muito além da capacidade humana. A sensibilidade auditiva dos animais de estimação pode levá-los a sentir desconforto ou ansiedade em resposta a ruídos cotidianos que os humanos talvez não percebam. A investigação do ambiente sônico por meio dos ouvidos dos animais de estimação revela um espectro de som que pode ser perturbador para nossos companheiros animais.

A vida doméstica é repleta de sons, desde o óbvio fogos de artifício e trovões até o zumbido mais insidioso dos eletrodomésticos. Esses estímulos auditivos, muitas vezes ignorados, podem estar criando uma camada invisível de estresse para os animais de estimação. Ao investigar a sinfonia silenciosa que preenche nossas casas, os donos de animais de estimação podem entender melhor e atenuar os fatores que afetam o bem-estar de seus familiares peludos.

Continua após a publicidade..
ad

Os ruídos eletrônicos podem, de fato, ter um impacto sobre os animais domésticos, influenciando seu comportamento. Especialistas em comportamento animal observaram casos em que mudanças no comportamento de um animal de estimação estavam ligadas aos sons emitidos por aparelhos domésticos. Por exemplo, Katherine Houpt, professora emérita de medicina comportamental, relatou uma situação em que um cão começou a demonstrar ansiedade e a andar de um lado para o outro devido a um som quase inaudível: um alarme de fumaça que tocava para trocar a bateria. A angústia do animal só cessou depois que ele saiu das proximidades do som.

Continua após a publicidade..
ad

Os animais de estimação também podem desenvolver reações a determinados sons por meio do condicionamento. Houpt aponta para métodos de treinamento como acerca invisível, que usa tons e choques leves para ensinar os cães a permanecerem dentro dos limites de um quintal sem cerca. O problema é que bipes eletrônicos semelhantes de aparelhos podem causar confusão. O cão pode associar o som ao aviso da Cerca Invisível, causando ansiedade ou medo, mesmo quando o som é benigno.

Imagem: Pixabay

Embora não haja nenhuma evidência concreta que demonstre que os animais respondem negativamente aos ruídos agudos dos aparelhos eletrônicos em geral, as sensibilidades individuais podem certamente provocar mudanças de comportamento. Por exemplo, Houpt menciona: “Há alguns cães que não gostam dos bipes do micro-ondas”, relacionando o desconforto deles à possível interpretação errônea do bip como um sinal de correção.

Os donos de animais de estimação devem ficar atentos e observar quando eles apresentarem mudanças de comportamento, considerando o papel que os aparelhos eletrônicos do dia a dia podem desempenhar. Embora nem todos os animais de estimação tenham uma resposta negativa aos sons eletrônicos, aqueles que têm podem exigir atenção especial para mitigar o estresse e o desconforto.

Publicidade
ad

Os gatos têm a notável capacidade de detectar frequências de até 64.000 Hz, enquanto os cães podem discernir sons de até 45.000 Hz. Essa faixa ultrapassa significativamente o limite superior da audição humana, que é de 20.000 Hz. A sensibilidade dos animais ao som vai além da mera acuidade auditiva; ela afeta potencialmente o bem-estar deles. Um exemplo disso é um estudo realizado no Reino Unido em 2015, no qual felinos domésticos apresentaram convulsões desencadeadas por ruídos domésticos cotidianos – telefones tocando, o barulho de uma colher contra uma tigela ou o clique sutil de teclas de computador.

Essas reações de hipersensibilidade, conhecidas como convulsões audiogênicas reflexas felinas, ilustram a intensidade dos estímulos auditivos nos animais de estimação. Além disso, as evidências de uma pesquisa realizada em 2005 demonstram a maior turbulência fisiológica que os animais podem sofrer devido a ruídos rotineiros, como distúrbios em suas funções endócrinas e padrões de sono. Os efeitos do som nos animais de estimação podem ser profundos e invisíveis para o olho ou ouvido humano não treinado. Eles podem não necessariamente reagir abertamente aos sons do ambiente, mas isso não nega a possibilidade de que sua saúde esteja sendo alterada pela cacofonia diária da vida humana.

Cachorro observando o microondas. Imagem/Reprodução: Youtube

Como proteger seu animal de estimação desses ruídos

Os animais de estimação geralmente exibem estresse em resposta a sons altos ou inesperados. “Quando eles acrescentam algo à casa, devem pensar no efeito que isso terá sobre o cão, para que possam estar preparados caso o cão reaja mal”, aconselha Houpt. Criar um espaço seguro para um animal de estimação pode atenuar a ansiedade. Isso pode incluir um cômodo silencioso, longe de aparelhos que produzam ruído. Além disso, a dessensibilização gradual aos sons pode ajudar; a introdução de ruídos em um volume baixo e seu aumento lento ao longo do tempo incentiva os animais de estimação a se acostumarem com o ambiente auditivo diário. Se um animal de estimação apresentar angústia constante, consulte um veterinário ou um comportamentalista animal para obter orientação profissional.