Continua após a publicidade.
ad

Os vikings foram guerreiros sanguinários que exploraram e saquearam muitas terras, eles tinham navios de guerra. Os antigos egípcios construíram pirâmides gloriosas das quais ainda podemos visitar e a apreciar. Os romanos antigos tinham aquedutos que há cerca de dois mil anos levavam água por todas as cidades. Essas civilizações históricas são tão conhecidas que quase qualquer pessoa com um interesse passageiro no passado seria capaz de contar algo de sua história. Mas existem muitos povos e culturas que apenas deixaram alguns registros vagos sobre sua existência.

Sociedades antigas e misteriosas desaparecidas deixam grandes lacunas em nosso entendimento. A história é como um livro com várias páginas ausentes. Muitas vezes, uma civilização será incrivelmente influente e importante, mas não receberá muita discussão. Ela não deixará muitas evidências de seus hábitos e costumes, e por isso serão muito pouco conhecidas, instigando as nossas mentes cheias de curiosidade e admiração.

Aqui estão 13 sociedades antigas e misteriosas das quais sabemos muito pouco.

Maias

Os maias são uma das sociedades antigas e misteriosas mais famosas, entretanto, isso não significa que sabemos muito sobre eles. Muitas evidências destes povos antigos deixadas para trás foram recuperadas na natureza. Mas estes achados acabaram deixando os arqueólogos e antropólogos modernos com mais perguntas do que respostas.

Continua após a publicidade..
ad

Historiadores sabem que os maias construíram algumas maravilhas arquitetônicas e criaram um calendário verdadeiramente impressionante. Mas até hoje não se sabe como essa misteriosa civilização encontrou seu fim. Estudos apontam que o Império Maia entrou em colapso cerca de 1.000 anos atrás.

Imagem: Chichen Itza. Daniel Schwen – Own work, CC BY-SA 4.0

Alguns teóricos modernos acreditam que a mudança climática foi a culpada e, em 2018, uma equipe de pesquisadores calculou as condições ambientais durante o declínio da cultura e confirmou essa hipótese em um artigo publicado na revista Science Magazine.

Os cientistas analisaram a água presa em um bloco de gesso, que encontraram no Lago Chichancanab. Eles mediram as variantes químicas da água remanescente no gesso. Os isótopos mais leves tendem a evaporar mais rapidamente, por isso o gesso deixado com isótopos mais pesados indica uma seca.

Os arqueólogos descobriram um grande palácio que atribuem à elite maia enterrada em Kulubá, nas florestas do estado mexicano de Yucatán. Segundo o Instituto Nacional de Antropologia e História do México, a estrutura tem aproximadamente 50 metros de comprimento e 6 metros de altura. Acredita-se que a estrutura foi ocupada por volta de 600 a 900 AEC., quando a cultura Maia prosperou.

Povo de Clovis

A palavra “Clovis” é quase sinônimo de um tipo de artefato arqueológico: pontas de flechas. Isto porque o povo Clovis acumulou estes objetos por todo um continente. Os Clóvis parecem ser a primeira civilização verdadeiramente dominante e expansionista na América do Norte, mas muito pouco se sobre essa civilização antiga e misteriosa.

Continua após a publicidade..
ad

Arqueólogos contam que eles se espalharam pela maioria da América do Norte dentro de alguns milhares de anos. Estes povos deixaram apenas seus antigos armamentos como prova de sua existência. Ninguém sabe ao certo o que aconteceu a esta cultura, se ela se extinguiu ou simplesmente se assimilou a futuras civilizações.

Exposição arqueológica de instrumentos pertencentes ao Povo de Clovis, no Museu Robbins, 17 Jackson Street, Middleborough, Massachusetts, EUA. Imagem: Daderot – Own work, CC0

O povo da ilha da Páscoa

Na história, poucas civilizações ganharam tanta fama por uma única obra de arte. As famosas “cabeças” (ou Moai) da Ilha de Páscoa (que acabaram por ser descobertas como tendo corpos subterrâneos), são tudo o que resta das pessoas misteriosas que outrora ocuparam esta ilha remota.

A Ilha de Páscoa está longe de qualquer outra civilização, mesmo para os padrões polinésios. Isto significa que um pequeno grupo de pessoas que provavelmente se alimentavam de frutos do mar, criou algumas estátuas icônicas, e depois partiu ou morreu. Pesquisas modernas sugerem que os habitantes da ilha, os Rapa Nui, podem ter destruído seu próprio sustento através do esgotamento dos recursos.

Moais da Ilha de Páscoa. Imagem: Bjørn Christian Tørrissen, Domínio Público.

Nabta Playa

Descritos como antigos astrônomos do Deserto Núbios, os Nabta Playa eram um povo notável, descrito como antigos astrônomos do Deserto Núbio. Essa civilização existiu há mais de 11.000 anos, e foi a primeira cultura a deixar provas de investigação astronômica.

Eles criaram gigantescas estruturas de pedra destinadas a rastrear os movimentos das estrelas. Estes povos provavelmente lançaram as bases para que outras civilizações antigas pudessem retomar o estudo.

Calendário solar construído pela sociedade antiga e misteriosa de Nabta Playa, transferido para o museu em Aswan. Imagem: Raymbetz – Praca własna, CC BY-SA 3.0

O povo Nabta Playa viveu num ambiente crítico, o que ajuda a explicar porque não deixaram muitas outras informações para trás, embora alguns acreditem que eram os ancestrais das futuras civilizações do Nilo, simplesmente não há evidências suficientes para sustentar esta teoria.

Olmecas

A antiga sociedade da Ilha de Páscoa não foi a única a surpreender arqueólogos com as gigantescas cabeças de pedra que deixaram por aí. A cultura Olmeca provavelmente deixou mais do que cabeças gigantes e ameaçadoras, mas tem sido difícil descobrir exatamente o que isso é.

Uma das quatro cabeças colossais encontradas em La Venta, com altura aproximada de 3 metros. Essas esculturas gigantes foram construídas pelas sociedades antigas e misteriosas conhecidas como Olmecas. Imagem: Glysiak – CC BY-SA 4.0

Os Olmecas, que ocupavam a mesma área que os Maias 1200 anos antes da sua ascensão, caíram vítimas do mesmo mistério que tem obscurecido a história Maia. Os Olmecas espalharam seu império por mais de 900 anos, estabelecendo o padrão que os futuros impérios sul-americanos seguiriam, antes de desaparecer por volta de 300 AEC.

Publicidade
ad

Vale do Indo

Algumas civilizações antigas são vistas como mais importantes que outras, devido aos alicerces que estabeleceram para as gerações futuras. A civilização do Vale do Indo é um grande exemplo disso, mas ao contrário dos mesopotâmios ou babilônios, ainda não se sabe muito sobre eles.

Ruínas pertencentes a sociedades antigas e misteriosas, escavadas de Moenjodaro, província de Sindh, Paquistão. Mohenjo-daro, na margem direita do rio Indo, é um Patrimônio Mundial da UNESCO, o primeiro local no sul da Ásia a ser declarado como tal. Saqib Qayyum, CC BY-SA 3.0

A cultura do Vale do Indo, cuja localização deve parecer óbvia, prosperou entre 4.000 e 3.000 anos atrás, tornando-a contemporânea do Antigo Egito e da Mesopotâmia. Algumas evidências sugerem, no entanto, que atingiu dimensões ainda maiores do que aquelas duas civilizações e que pode ter compreendido uma vez mais de 10% da população mundial. Então, a civilização desapareceu misteriosamente. Os cientistas modernos pensam que isso pode ter sido devido à mudança climática.

Os Povos do Mar

Os Povos do Mar são um grupo interessante e misterioso de pessoas que você provavelmente nunca ouviu falar. Estes povos eram um grupo de saqueadores navais que aterrorizaram a região do Mediterrâneo durante quase um século, entre 1276 e 1178 AC.

Esta cena famosa da parede norte de Medinet Habu é usada frequentemente para ilustrar a campanha militar egípcia contra os povos do mar, uma civilização antiga e misteriosa, naquilo que veio ser conhecido como a Batalha do Delta. Embora os hieróglifos não mencionem os inimigos do Egito, descrevendo-os simplesmente como sendo de “países do norte”, os primeiros estudiosos notaram as semelhanças entre os penteados e acessórios usados pelos combatentes e outros relevos em que tais grupos são nomeados. Imagem: Seebeer/Arcibel

Os seus principais alvos eram os egípcios e o Império Hitita, mas ninguém sabe de onde eles vieram. Tudo o que está registrado é que eles surgiram do oceano, invadiram as terras do Mediterrâneo, saquearam e depois voltaram a navegar para o pôr-do-sol. Esses povos voltaram frequentemente para causar mais estragos. Um império pirata existiu no mundo antigo, e eles conseguiram manter sua base secreta escondida para a história.

Austronésios de Madagascar

A história genealógica da África revela uma história bastante direta de civilizações concorrentes que se sobrepõem umas às outras, com a curiosa excepção da ilha de Madagáscar.

Os habitantes originais de Madagáscar parecem ser de origem austronésia, o único povo assim em qualquer lugar perto daquela parte do mundo. A língua falada em Madagáscar era a mais parecida com a falada no Bornéu, que ficava a 6 mil km de distância. Os antropólogos ainda não sabem exatamente como estas pessoas chegaram à ilha, embora uma viagem naval épica pareça certa. A existência desta civilização foi comparada à chegada de Colombo ao Caribe e à descoberta de uma ilha singular cheia de suecos de cabelos loiros e olhos azuis.

O Povo de Punt

Esta é uma civilização quase mítica que operava com e em torno de várias nações africanas antigas, incluindo o Egito. Os registros egípcios falam de muitas expedições comerciais à terra de Punt, mas até esta data, nenhum arqueólogo moderno foi capaz de descobrir exatamente onde exatamente viviam estas pessoas.

Punt era aparentemente uma terra muito rica, com tesouros e recursos que rivalizavam com os egípcios, e ainda assim há muito poucas evidências de que eles negociassem com qualquer outro povo além dos egípcios, ou que entrassem em guerra com qualquer um. Uma terra tão rica no meio da África teria sido propícia à invasão, mas nada parecido parece ter acontecido. Se alguém descobriu realmente a localização de Punt, não a escreveu, nem deixou vestígios de sua descoberta.

Imagem: Harrison e Filhos, Londres: 1902). p. 408.

Gobekli Tepe

É possível que você já tenha ouvido falar do Gobekli Tepe, se ouviu provavelmente foi durante as divagações da tripulação dos Antigos Alienígenas no Canal History. Isso porque a arquitetura encontrada no meio das ruínas desta misteriosa civilização se mostra demasiadamente avançada, o que resulta em teorias conspiratórias e especulações sobre a intervenção extraterrestre.

Ruínas de templo antigo em Göbekli Tepe. Imagem: Teomancimit, Domínio Público

Segundo um artigo do Smithsonian Magazine, local original era um templo encontrado na Turquia moderna que remonta entre 13.000 e 12.000 anos, mas contém técnicas arquitetônicas que não seriam vistas novamente por milênios. As escavações subsequentes revelaram que o local é muito mais expansivo do que se pensava anteriormente.