Continua após a publicidade.
ad

Em uma de suas magníficas composições, Caetano Veloso escreveu: “Eu vi uma mulher preparando outra pessoa. O tempo parou pra eu olhar para aquela barriga.” Como na canção, a gravidez é, evidentemente, uma experiência carregada de significados e pitadas de poesia. No entanto, a gravidez pode ter um custo, como demonstra um novo estudo.

A pesquisa em questão revela que as mulheres que disseram já ter engravidado aparentavam ter uma idade biológica mais avançada em comparação com aquelas que nunca tiveram gestações. Além disso, as mulheres que já tinham passado por gravidezes pareciam ser biologicamente mais velhas do que aquelas que relataram ter tido menos gestações. As descobertas foram publicadas no The Proceedings of National Academy of Sciences.

Continua após a publicidade..

Envelhecimento biológico numa população adulta jovem e saudável acelerado pela gravidez

Um estudo conduzido por cientistas da renomada Escola de Saúde Pública Mailman, da Universidade de Columbia, localizada em Nova Iorque, trouxe à luz uma descoberta intrigante: a gravidez pode acelerar o processo de envelhecimento biológico em mulheres.

Essa investigação, realizada em um inquérito de saúde de longo prazo nas Filipinas, envolvendo 1.735 participantes, examinou os históricos reprodutivos e amostras de DNA para compreender melhor o impacto da gravidez no processo de envelhecimento.

Os pesquisadores utilizaram seis diferentes “relógios epigenéticos” para calcular a idade biológica dos participantes, ferramentas genéticas que estimam a idade biológica com base em padrões de metilação do DNA.

Continua após a publicidade..

Calen Ryan, PhD, principal autor do estudo e cientista pesquisador do Columbia Ageing Center, explicou que “Os relógios epigenéticos revolucionaram a forma como estudamos o envelhecimento biológico ao longo da vida e abriram novas oportunidades para estudar como e quando os custos de reprodução a longo prazo e outros eventos da vida ocorrem.”

Os resultados revelaram que cada gravidez relatada por uma mulher estava correlacionada com um aumento de dois a três meses no envelhecimento biológico. Ademais, as mulheres que relataram mais gestações ao longo de um período de seis anos apresentaram um aumento ainda maior no envelhecimento biológico durante esse intervalo de tempo.

Fatores ligados ao envelhecimento biológico

A relação entre a história de gravidez e a idade biológica permaneceu evidente mesmo após a consideração meticulosa de vários outros elementos associados ao processo de envelhecimento biológico, como status socioeconômico, hábito de fumar e variação genética.

Ryan destacou que essa descoberta aponta para certos aspectos da maternidade, em oposição a fatores socioculturais relacionados à fertilidade precoce ou à atividade sexual, como impulsionadores do envelhecimento biológico.

Publicidade

O achado sugere uma interação complexa entre a experiência reprodutiva feminina e os processos biológicos que moldam o envelhecimento, lançando luz sobre o papel único da maternidade na saúde e no envelhecimento das mulheres.

Embora as descobertas sejam surpreendentes, Ryan encoraja os leitores a recordarem o contexto: “Muitas das gravidezes relatadas na nossa medida de referência ocorreram durante o final da adolescência, quando as mulheres ainda estão em crescimento. Esperamos que este tipo de gravidez seja particularmente desafiante para uma população em crescimento, especialmente se o seu acesso a cuidados de saúde, recursos ou outras formas de apoio for limitado.”

Um futuro de muita pesquisa

Imagem: Canva

Ryan também reconheceu que há mais trabalho a fazer: “Ainda temos muito que aprender sobre o papel da gravidez e outros aspectos da reprodução no processo de envelhecimento. Também não sabemos até que ponto o envelhecimento epigenético acelerado nestes indivíduos em particular se manifestará como problemas de saúde ou mortalidade décadas mais tarde na vida.”

O pesquisador apontou que nossa compreensão atual dos relógios epigenéticos e sua capacidade de prever saúde e mortalidade é em grande parte baseada em estudos realizados na América do Norte e na Europa. Entretanto, ele destacou que o processo de envelhecimento pode se manifestar de maneiras distintas nas Filipinas e em outras regiões do mundo.

As descobertas ressaltam os possíveis impactos de longo prazo da gravidez na saúde das mulheres e a importância de cuidar dos novos pais, especialmente das mães jovens. Essa conscientização evidencia a necessidade de políticas e práticas de saúde que considerem adequadamente os desafios únicos enfrentados pelas mulheres em diferentes estágios da maternidade.