Continua após a publicidade.
ad

O ChatGPT é, indubitavelmente, um marco no desenvolvimento da Inteligência Artificial (IA) com relação, sobretudo, aos grandes modelos de linguagem. Não à toa, ele chegou causando uma verdadeira revolução e transformando – talvez para sempre – a relação entre humanos e tecnologia.

Nesse viés, o ChatGPT pode parecer mais “inteligente” do que a pesquisa do Google, ainda que este último não seja, definitivamente, apenas um software de busca. Mas então, por que a aplicação da OpenAi sugere um maior desempenho? Há algumas explicações plausíveis.

O ChatGPT sugere “realmente saber das coisas”

O Google adquire suas respostas diretamente de fontes humanas, como páginas da web. Isso não é considerado “conhecimento” propriamente dito, embora os algoritmos utilizados para localizar e fornecer resultados relevantes sejam extremamente avançados.

Continua após a publicidade..

Além disso, mesmo que o Google “conheça coisas”, a verdadeira inteligência envolve a capacidade de identificar padrões nas informações que possuímos, fazer inferências a partir dessas informações e agir com base nelas, em vez de apenas “lembrar” fatos.

Desse modo, os chatbots não precisam quebrar a ilusão redirecionando você para outros sites ou citando fontes, e ninguém, nem mesmo os próprios chatbots, podem identificar exatamente quais dados de treinamento produziram a resposta fornecida.

A interface simples e unificada do ChatGPT dá a impressão de que você está conversando com alguém que realmente entende do assunto. Para muitos, agora é comum dizer “O ChatGPT acredita que…”, enquanto ninguém diria “A Pesquisa Google acredita…”.

Continua após a publicidade..

Resposta com personalidade

Os modelos de linguagem também oferecem respostas com um toque de personalidade. O ChatGPT, lançado em novembro de 2022, agradece suas perguntas, admite erros e consegue manter uma conversa contínua.

Evidentemente, quando há bastante insistência em um ponto específico, o ChatGPT pode até responder errado algo óbvio, mas a parte “bate-papo” do ChatGPT foi suficiente para cativar milhões de pessoas que antes não se interessavam por modelos de linguagem.

Ao contrário dos resultados da Pesquisa Google, que aparecem como blocos de informações, as respostas do ChatGPT fluem como se fossem digitadas por alguém em tempo real.

Os modelos de linguagem evoluíram significativamente nos 18 meses seguintes, com GPT-4, Google Gemini e Claude 3 Opus competindo pelo título de “modelo mais inteligente”. No entanto, a febre da IA não esperou por essa evolução: o ChatGPT alcançou 100 milhões de usuários antes mesmo da atualização para o GPT-4.

Publicidade

“Natureza humana” dos chatbots

Imagem: Updated

Existe uma mudança fundamental que é a integração de dados, ferramentas e habilidades de treinamento em escala web dentro de uma interface de conversação que se torna cada vez mais humana – uma verdadeira “humanização” da IA advinda do aprendizado profundo.

Se isso estiver correto, a natureza extremamente humana dos chatbots é o que gera tanto temor quanto entusiasmo em relação à IA, fomentando a ideia de que estamos criando uma nova forma digital de vida.

Isso explica o interesse sem precedentes em prever quando atingiremos a AGI (Inteligência Artificial Geral), com a maioria das estimativas apontando para o período entre 2025 e 2030, além das frustrações com a popularização desse conceito.

Isso também ajuda a entender a popularidade do Character.AI, um aplicativo que reúne dezenas de milhões de usuários que passam horas interagindo com bots em jogos de RPG. Esses usuários estão, em grande parte, suspendendo a descrença, e alguns chegam até a se apaixonar por esses bots.

Avatares de vídeo

Em breve, os modelos de IA contarão com avatares de vídeo. A tecnologia para isso já está disponível, com a sincronização dos lábios, expressões faciais e conversão de texto em fala se tornando mais realistas e ocorrendo em tempo real.

Esses modelos também serão capazes de interpretar as emoções na sua voz e ajustar suas respostas conforme seu estado emocional. Diferente de uma barra de pesquisa passiva, esses novos modelos serão programados desde o início para realizar tarefas básicas em seu nome e fazer perguntas quando não tiverem certeza do que fazer. Embora ainda não sejam completamente autônomos, já se mostram como assistentes bastante competentes.