Continua após a publicidade.
ad

Diamantes são muito raros na Terra, mas em planetas gigantes gelados como Urano e Netuno, espera-se que chova diamantes na atmosfera.

Novos experimentos descritos em um estudo publicado na revista Nature Astronomy sugerem que essa precipitação ocorre em temperaturas e pressões mais baixas do que se pensava, tornando-a mais comum não só no Sistema Solar, mas também em outros lugares do Universo.

Continua após a publicidade..

Usando bigornas de diamante, os pesquisadores submeteram um filme de poliestireno a alta pressão. Então aqueceram a amostra a mais de 2200°C com raios X de alta energia, fazendo com que diamantes começassem a se formar. Eles também conseguiram fazer experimentos em escalas de tempo mais longas e investigar como compostos de carbono reagem na presença de oxigênio.

Continua após a publicidade..

A equipe de pesquisa também observou que era possível criar esses diamantes em temperaturas e pressões mais baixas, significando que eles permanecem mais tempo na atmosfera do planeta antes de caírem mais fundo.

E não é apenas a precipitação. Os campos magnéticos de Urano e Netuno são assimétricos, diferentemente da Terra, e acredita-se que sejam gerados por camadas condutoras no interior do planeta. A presença dos diamantes caindo através dessas camadas, carregando gás e gelo, poderia agitá-las, criando correntes e potencialmente impulsionando os campos magnéticos.

Publicidade

“A ‘chuva de diamantes’ em planetas gelados nos apresenta um quebra-cabeça intrigante para resolver”, disse o autor principal e cientista do SLAC, Mungo Frost, em um comunicado. “Ele fornece uma fonte interna de aquecimento e transporta carbono para as profundezas do planeta, o que pode ter um impacto significativo nas suas propriedades e composição. Pode desencadear movimentos dentro dos gelos condutores encontrados nestes planetas, influenciando a geração dos seus campos magnéticos.”

Como o estudo mostra que temperaturas e pressões mais baixas são necessárias para criar essas chuvas, mundos menores como mini-Netunos provavelmente também as possuem em suas profundezas. Compreender nossos gigantes gelados abre portas para entender inúmeros mundos lá fora.

Graduado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e apaixonado por tecnologia, atualmente trabalho com projetos web e tenho orgulho de ser o idealizador do site Solte a Palavra.