Continua após a publicidade.
ad

Mesmo antes da escrita ser desenvolvida o ser humano encontrava formas de registrar e repassar a sua história. Uma das formas mais antigas são as pinturas rupestres, também chamadas de arte rupestre. Pinturas rupestres eram representações artísticas pré-históricas realizadas em paredes, tetos e outras superfícies de cavernas e até mesmo em rochas ao ar livre. Tais registros são valiosos achados arqueológicos para se compreender a história da humanidade em tempos imemoriais. Recentemente, na Patagônia, uma nova arte rupestre impressionou pesquisadores.

O achado se encontra na Cueva Huenul 1, num deserto ao noroeste da Patagônia no território da Argentina. Esse ano, também na Patagônia, paleontólogos encontraram uma nova espécie de dinossauro que habitou a América do Sul. As artes rupestres da Cueva Huenul 1 se agrupam em mais de 800 pinturas diferentes. Mas não é a quantidade que impressiona os pesquisadores e sim a linha do tempo. Essas pinturas rupestres datam de pelo menos 8.200 até 3.000 anos atrás, ou seja, cerca de 130 gerações humanas passaram por aquelas artes, adicionando novas pinturas nas paredes e no teto da caverna. 

Continua após a publicidade..

A descoberta foi feita por um grupo de antropólogos e arqueólogos que publicaram o estudo na revista Science Advances. Dentre os autores está Guadalupe Romera Villanueva, arqueóloga que trabalha para o CONICET, Conselho Nacional de Pesquisa Científica e Técnica da Argentina. Segundo Guadalupe, as pinturas se mostraram milênios mais antigas do que ela e os outros pesquisadores esperavam. Na Amazônia já foram encontradas pinturas rupestres que datam de mais de 12.000 anos atrás. Ainda assim, as pinturas da Patagônia configuram algumas das artes rupestres à base de pigmentos mais antigas conhecidas no continente.

Continua após a publicidade..
Fotos da região da Patagônia onde foram encontradas as pinturas rupestres. Fonte: Science Advances.

Além da idade das pinturas, algo que chama atenção dos pesquisadores, como disse o co-autor Ramiro Barberena que também é um arqueólogo do CONICET, é que elas dividem o mesmo motif, ou seja, o mesmo padrão ao longo das eras. Um dos principais propósitos das artes rupestres era de preservar os conhecimentos culturais daquele povoado e transmiti-lo para as gerações seguintes e para isso alguns padrões em comum foram se estabelecendo.

Nas pinturas da Cueva Huenul 1, os pesquisadores notaram diversas formas geométricas: pontos, círculos, linhas paralelas e até polígonos. Todos foram pintados usando-se a cor vermelha. Havia também silhuetas humanas, rostos, animais como aves e parentes próximos das lhamas. Algumas pinturas também continham tintas brancas, amarelas e pretas.

No caso da tinta preta, os arqueólogos conseguiram determinar que ela foi feita à base de madeira queimada, provavelmente de cactos e arbustos da região. Também havia outros materiais vegetais que, graças às técnicas de datação com o isótopo de carbono-14, permitiram que o grupo conseguisse datar as pinturas. Segundo Barbarena, sem a presença de um componente orgânico fica extremamente difícil determinar a idade dessas pinturas rupestres.

Publicidade

Ao conseguirem determinar a idade de três pinturas diferentes, os pesquisadores puderam deduzir que as imagens retratam um período de seca naquela região, que obrigou os caçadores-coletores daquela época a se espalharem mais, além de torná-los mais vulneráveis às adversidades climáticas.

O padrão que se repete ao longo das pinturas leva a crer que elas foram utilizadas entre as gerações que passaram pela aquela região para compartilhar seus conhecimentos. Os pesquisadores acreditam que a Cueva Huenul 1 deveria ser uma espécie de local cultural onde os povos voltavam ao longo dos tempos, quase como uma rede social pré-histórica. Sendo assim os grupos dispersos conseguiam repassar conhecimentos importantes que ajudariam outros grupos semelhantes a sobreviver naquele ambiente hostil. 

Outros arqueólogos, como Andrés Troncoso da Universidade do Chile, concordam que o achado do grupo irá contribuir para o entendimento de como os humanos conseguiram lidar com mudanças climáticas no passado.

Graduado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e apaixonado por tecnologia, atualmente trabalho com projetos web e tenho orgulho de ser o idealizador do site Solte a Palavra.