Continua após a publicidade.
ad

Arqueólogos em Roma fizeram uma descoberta notável ao escavar um salão de banquetes adornado com um mural de mosaico vívido, datado de cerca de 2.300 anos atrás. A sala fazia parte de uma residência aristocrática erguida no renomado Monte Palatino da cidade. A localização da grandiosa moradia é peculiar, situando-se a uma curta distância ao sul do fórum central de Roma, um mercado antigo pensado no coração da cidade, margeado por importantes templos e edifícios governamentais.

O mosaico, que adorna a parede final do salão, foi criado com uma riqueza de materiais como fragmentos de conchas, pedras de pigmento azul exemplares, pedaços de vidro, e lascas de mármore colorido e outros tipos de pedra, arranjados no estilo ” rústico”.

Continua após a publicidade..
Imagem: Parque Arqueológico do Coliseu/Ministério da Cultura da Itália
Imagem: Parque Arqueológico do Coliseu/Ministério da Cultura da Itália
Imagem: Parque Arqueológico do Coliseu/Ministério da Cultura da Itália

“[O mosaico] é verdadeiramente excepcional”, disse Alfonsina Russo, diretora do Parque Arqueológico do Coliseu de Roma, em um vídeo traduzido descrevendo a descoberta . “Isso é algo novo que nos inspira a aprender cada vez mais sobre aquela parte do Palatino, que é um lugar de grande importância para a história de Roma”.

Continua após a publicidade..

Banquete Romano

No coração de Roma, residências de famílias senatoriais foram majestosamente construídas na colina Palatina, uma das emblemáticas “sete colinas” da Roma Antiga. Entre essas construções, uma casa se distingue por possuir uma sala de banquetes singular. Essa sala especial foi projetada arquitetonicamente para se assemelhar a uma caverna, criando um ambiente fresco e ideal para os meses quentes de verão. A engenharia da época já demonstrava conhecimento avançado de conforto térmico, ficando evidente no uso de tubulações de chumbo que transportavam água para formar fontes internas.

Como testemunha silenciosa da opulência deste espaço, um mosaico monumental revela-se na parede do fundo da sala de banquetes. Com extensão de quase 5 metros, ele é meticulosamente adornado com imagens que incluem videiras, folhas de lótus, armamentos, trompetes, cenas pastorais, paisagens tropicais e embarcações. A arte do mosaico não se limita à decoração; sugere também façanhas militares e políticas do dono do recinto, provavelmente um senador com triunfos em batalhas terrestres e marítimas.

Imagem: Parque Arqueológico do Coliseu/Ministério da Cultura da Itália
Imagem: Parque Arqueológico do Coliseu/Ministério da Cultura da Itália
Imagem: Parque Arqueológico do Coliseu/Ministério da Cultura da Itália

A datação da casa e de suas estruturas republicanas remonta ao período final de Roma, desafiando a crença anterior de que havia sido erguida no século II AEC. Esta revelação não só reconfigura o entendimento da cronologia do desenvolvimento urbano de Roma, mas também reforça o papel da Colina Palatina como centro de poder e influência durante a República.

Publicidade

Moradia Antiga

As paredes da moradia, descobertas inicialmente em 2018, fazem parte de um conjunto atualizado que inclui uma sala de recepção decorada com estuque branco, pinturas de paisagens, figuras e elementos decorativos.

Imagem: Parque Arqueológico do Coliseu/Ministério da Cultura da Itália

A estrutura da casa se espalhava por diversos andares, possivelmente disposta em terraços ao redor de um átrio central ou jardim, fazendo com que sua construção ocorresse em pelo menos três etapas diferentes. A fase mais antiga data da segunda metade do século II AEC, enquanto a última fase remonta ao fim do século I AEC

Imagem: Parque Arqueológico do Coliseu/Ministério da Cultura da Itália

O período mais remoto da domus coincide com uma época de intensas disputas políticas entre as facções aristocráticas da República Romana, segundo as pesquisas de Alfonsina Russo.