Continua após a publicidade.
ad

Recentemente, os cientistas exploraram a intrigante possibilidade de que observadores extraterrestres, se equipados com tecnologia suficientemente avançada, poderiam olhar para a Terra e observar maravilhas arquitetônicas que remontam ao Império Romano. Um estudo inovador do pesquisador do SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence), Z. Osmanov, fornece insights sobre o que essa vigilância distante poderia implicar e os tipos de civilizações que poderiam realizá-la.

O artigo de Osmanov, publicado na revista Acta Astronautica, chama a atenção para o conceito de civilizações em diferentes níveis da escala de Kardashev – uma estrutura teórica que categoriza as sociedades com base em seus níveis de consumo de energia. As civilizações de status Tipo I extraem energia de forma abrangente de seu planeta natal, enquanto as civilizações de Tipo II, mais avançadas, podem explorar a produção de energia de toda a sua estrela. Osmanov considera que os seres de qualquer uma dessas categorias, especialmente do Tipo II, poderiam ter os meios tecnológicos para detectar estruturas substanciais, como as primeiras arquiteturas da Terra, a muitos anos-luz de distância.

Continua após a publicidade..
ad

De acordo com o pesquisador, a detecção de tais construções não dependeria apenas de telescópios gigantescos, mas também poderia envolver uma técnica conhecida como interferometria óptica de linha de base longa. Esse método posiciona pelo menos dois telescópios significativamente separados, ampliando as capacidades de observação a níveis sem precedentes. Ele especula que características na Terra tão pequenas quanto 10 metros podem ser distinguidas mesmo a dezenas de milhares de anos-luz.

Continua após a publicidade..
ad

Com base em cálculos semelhantes à equação de Drake, que apresenta variáveis para estimar a quantidade de civilizações extraterrestres, Osmanov sugere que pode haver cerca de 650 sociedades alienígenas com o potencial de detectar as construções de grande escala da Terra quando olham em nossa direção. Entretanto, a distância espaço-temporal significa que esses espectadores do cosmos não veriam nossas cidades e arranha-céus atuais. Em vez disso, eles poderiam vislumbrar a Terra exibindo o trabalho histórico de nossos ancestrais, como os sofisticados edifícios romanos.

Publicidade
ad
A Biblioteca de Celso, um edifício antigo em Éfeso, na Anatólia. Imagem: Benh LIEU SONG

O artigo ressalta as limitações impostas pelas leis do universo, com os alcances mais distantes para esse tipo de sensoriamento remoto limitados a cerca de 3.000 anos-luz. Consequentemente, mesmo com a capacidade hipotética de ver as maravilhas projetadas do nosso planeta, apenas alguns poucos vizinhos entre os possíveis observadores do cosmos teriam o ponto de vista correto para ver as antigas conquistas arquitetônicas da humanidade.

As observações de planetas distantes e a busca por vida extraterrestre geralmente se concentram na detecção de sinais atmosféricos potencialmente indicativos de atividade biológica. No entanto, este artigo amplia o diálogo para a detecção visual de construções artificiais como um marcador de civilizações inteligentes. É um pensamento que une nossas conquistas históricas a possíveis conexões interestelares, imaginando um público universal para os monumentos de longa data da Terra à engenhosidade humana.