Continua após a publicidade.
ad

Especialistas do John Space Center da NASA revelaram o que há dentro do aparelho de amostragem da espaçonave OSIRIS-REx, tendo superado o desafio de liberar dois fixadores particularmente resistentes.

Nela estão partículas e pequenas rochas, remanescentes do asteroide Bennu, um corpo celeste com mais de quatro bilhões e meio de anos. A composição e características dessa amostra estão prontas para serem analisadas, com os cientistas ansiosos para determinar a massa final do material coletado.

Continua após a publicidade..

Apresentando pela primeira vez, em novembro do ano anterior, o Museu Nacional de História Natural do Smithsonian exibiu um segmento de Bennu, oferecendo ao público um vislumbre tangível do antigo andarilho cósmico.

Continua após a publicidade..

Originalmente, a meta da NASA era coletar pelo menos 2,12 onças de material; a missão, no entanto, excedeu as expectativas ao garantir 2,48 onças.

Além disso, a jornada da OSIRIS-REx continua além desse triunfo, já que ela está de olho em outro empreendimento ambicioso – explorar o asteroide Apophis em 2029, que, segundo as projeções, passará perto da Terra.

Os materiais recuperados do asteroide Bennu, embora exteriormente se assemelhem a pedras e solo terrestres comuns, são amostras preciosas que podem revelar segredos sobre o início de nossa vizinhança cósmica.

Publicidade

Os especialistas da NASA detectaram carbono e outros elementos vitais em partículas que escaparam da câmara principal de coleta, oferecendo uma prévia tentadora dos tesouros que essas amostras podem conter.

Após a descoberta de minerais com alto teor de água, há um consenso emergente de que asteroides como o Bennu podem ser os mensageiros celestes que trouxeram água que sustenta a vida para o nosso planeta, estabelecendo as bases para os primeiros oceanos da Terra.

Datado da infância da criação do sistema solar, aproximadamente 10 milhões de anos após seu nascimento, Bennu oferece um vislumbre único daquela era primitiva. Com sua forma de topo e tamanho que ultrapassa a altura do icônico Empire State Building, esse asteroide intrigante se enquadra em uma categoria conhecida como “potencialmente perigosa” pela probabilidade muito pequena – uma chance de 0,037% – de que possa impactar nosso mundo até o ano de 2182.

Graduado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e apaixonado por tecnologia, atualmente trabalho com projetos web e tenho orgulho de ser o idealizador do site Solte a Palavra.