Continua após a publicidade.
ad

Uma startup chinesa pioneira, a Betavolt, anunciou recentemente o desenvolvimento de uma bateria nuclear inovadora. A empresa afirma que ela pode fornecer eletricidade por incríveis 50 anos sem a necessidade de recarga ou manutenção.

A empresa sediada em Pequim alcançou um marco significativo ao miniaturizar com sucesso a energia atômica, encapsulando 63 isótopos nucleares em um módulo menor do que uma moeda.

Continua após a publicidade..

Do conceito ao teste piloto

Com a fase de teste piloto já em andamento, a inovação da Betavolt deverá ser produzida em massa para uso comercial em várias aplicações, de telefones celulares a drones.

“As baterias de energia atômica Betavolt podem atender às necessidades de fornecimento de energia de longa duração em vários cenários, como aeroespacial, equipamentos de IA, equipamentos médicos, microprocessadores, sensores avançados, pequenos drones e micro-robôs”, afirmou a empresa em um recente comunicado à imprensa.

Continua após a publicidade..

Essa nova solução de energia posiciona a China na vanguarda da revolução tecnológica de IA.

Uma ideia centenária concretizada

O conceito de transformar a energia emitida por isótopos em decomposição em eletricidade remonta ao século XX. Embora a União Soviética e os Estados Unidos tenham se aventurado inicialmente a desenvolver essa tecnologia para exploração espacial e operações remotas, as iterações anteriores foram prejudicadas por seu tamanho e custo.

Estrutura da bateria. Imagem: Betavolt

Essa busca pela miniaturização e comercialização tem sido um ponto focal do 14º Plano Quinquenal da China, com esforços de pesquisa paralelos em andamento nos EUA e na Europa.

Pequeno, mas poderoso

O modelo inicial da Betavolt apresenta uma saída de 100 microwatts de potência e uma tensão de 3V em suas dimensões compactas de 15x15x5 milímetros cúbicos. Ambiciosamente, até 2025, a empresa planeja aumentar a escala de produção para criar uma bateria que forneça 1 watt de potência.

Publicidade

A possibilidade de usar essas pequenas unidades em série sugere um futuro com telefones celulares e drones que operam indefinidamente sem recarga. As baterias também foram projetadas para serem seguras, evitando combustão ou explosão, mesmo quando submetidas a um forte impacto.

Segurança e impacto ambiental

Além de seus impressionantes recursos de energia, a Betavolt garante que sua bateria nuclear é totalmente segura e livre de radiação externa, o que a torna adequada para dispositivos médicos sensíveis, como marca-passos e implantes cocleares.

Além disso, a empresa enfatiza a compatibilidade ambiental de seu produto. Após sua vida útil, os isótopos passam para um isótopo de cobre estável que não é radioativo e não representa ameaça ou poluição ambiental.

A inovação da Betavolt pode não apenas revolucionar as fontes de energia portáteis, mas também abrir caminho para novos padrões em soluções de energia de longo prazo.