Continua após a publicidade.
ad

Pesquisadores recuperaram mais de 900 artefatos de dois navios mercantes que afundaram no Mar do Sul da China durante a dinastia Ming, que durou de 1368 a 1644. Os navios, localizados a aproximadamente 93 milhas a sudeste da Ilha de Hainan e situados a cerca de 14 milhas de distância um do outro, foram encontrados descansando no fundo do mar a quase uma milha abaixo da superfície.

O projeto conjunto, uma colaboração entre o Centro Nacional de Arqueologia, a Academia Chinesa de Ciências e um museu em Hainan, produziu uma grande quantidade de objetos históricos. Ao longo de três fases no ano passado, os arqueólogos recuperaram 890 itens da primeira embarcação, incluindo moedas de cobre, cerâmica e porcelana. Impressionantemente, isso representa apenas uma pequena parte dos mais de 10.000 artefatos encontrados no local. Os pesquisadores acreditam que esse navio estava transportando porcelana de Jingdezhen, uma cidade famosa por sua produção de cerâmica.

Continua após a publicidade..
ad

No segundo naufrágio, a equipe recuperou 38 objetos, como conchas, chifres de veado, porcelana, cerâmica e troncos de ébano, que provavelmente eram originários da região do Oceano Índico. Os artefatos recuperados de ambos os locais abrangem diferentes períodos da dinastia Ming, com muitos datando do período Zhengde (1505-1521) e alguns possivelmente ainda mais antigos, originários do reinado do Imperador Hongzhi (1487-1505).

Continua após a publicidade..
ad

Para realizar essa façanha, os arqueólogos empregaram submersíveis tripulados e não tripulados, usando câmeras subaquáticas de alta definição e scanners a laser 3D para documentar os locais dos naufrágios. Eles também coletaram amostras de sedimentos do fundo do mar para ajudar em suas pesquisas.

Publicidade
ad

Guan Qiang, vice-diretor da Administração Nacional do Patrimônio Cultural, enfatizou a importância da descoberta em um comunicado. “A descoberta fornece evidências de que os ancestrais chineses desenvolveram, utilizaram e viajaram de e para o Mar do Sul da China, com os dois naufrágios servindo como importantes testemunhas do comércio e das trocas culturais ao longo da antiga Rota Marítima da Seda”, disse ele.

A dinastia Ming marcou um período de crescimento significativo e intercâmbio cultural para a China, com a duplicação da população do país e a formação de laços culturais vitais com o Ocidente. A porcelana Ming, conhecida por seu icônico esquema de cores azul e branco, tornou-se um produto de exportação muito procurado, enquanto a China também comercializava seda e importava novos alimentos, como amendoim e batata-doce.